quinta-feira, 20 de junho de 2013

Não Desiste de Nós




Vem cá, deixa eu abraçar suas costas nuas, ouvir o seu coração e conectar o meu nele só pra sentir que alguma coisa ainda bate viva aqui dentro. Deixa eu sentir seu cheiro, beijar sua pele, te apertar contra mim como se a gente fosse se fundir num só. Deixa eu acordar deitada sob o teu peito e perdida no seu braço que sempre ficava dormente quando eu insistia que tinha medo. E não faz assim. Deixa eu chorar baixinho, encolhida num canto do sofá só para você usar essa sua habilidade de me fazer sorrir e mudar de assunto como se pudesse afogar todos meus problemas e as minhas cólicas. Deixa o dia passar, o vento leve tocar os nossos cabelos e trazer aquela sensação gostosa de que o tempo ao seu lado não passa. Deixa eu chegar na sua frente, abrir a porta da casa que podia ser a nossa, e não. Não me olha desse jeito, que me desarma, me sufoca. Não grita assim, não chora. Porque eu sei que você chora quando a gente apaga a luz do meu quarto. 

Não dá dois passos, não passa a porta, não atravessa a rua, não pega o ônibus, não vira a esquina, não desiste de nós. Não segue sua vida porque eu ainda não aprendi a seguir a minha sem você. Não deixa esses meses passarem como se nada mais fizesse sentido. Não deixa eu engolir seco, chorar, chorar, chorar e secar por dentro pra entender que você já não é mais meu e que "nós" já não existe pra você. Não, encontra outra pessoa e não acha que pode recomeçar com ela. Não sorri daquele jeito e não se torna tudo pra ela como você era pra mim. Vem cá, volta. Para com essa brincadeira de me abrir ao meio e me deixar o pó. Para de dizer que seremos bons amigos porque você não atende mais as minhas ligações. Não olha pra ela assim, não faz ela achar que você é aquele bobo apaixonado. Não reclama comigo por ser egoísta e por ter ciúme porque eu só não entendo, não quero entender, você estava aqui e agora está aí, tão perto, tão longe e tão utópico. 

Porque quando você saiu por aquela porta, você não sabia, mas me levou junto. Porque o seu perfume ficou lá em cima da minha estante, com a tampa aberta e ele me embriaga todas as noites, porque é só assim que eu consigo dormir. E eu adoraria ter forças para te explicar como são desesperadores os meus sonhos e pesadelos, não sei se porque você sempre está neles ou porque tenho sempre a certeza que quando acordar você não estará mais lá para me dizer que "foi apenas um pesadelo". Porque eu tenho raiva dela, porque eu tenho raiva de vocês, e porque apesar de tudo eu ainda quero te ver feliz. E por algum motivo eu ainda guardo lá no fundo do meu armário, numa caixa, as nossas fotografias da gente. E porque dói tanto olhar, dói tanto lembrar. E porque eu queria tanto esquecer, tudo... tudo. 

domingo, 16 de junho de 2013

Eco. Eco, frio.



"Ei, boa noite. Eu não queria assustar não. É que tava olhando de longe o seu amor. Tava olhando como, mesmo confusa você parece tão completa, tão suficiente. Eu não sei o nome dele, mas eu sei que é essa a palavra o motivo do sorriso lindo que estava enfeitando seus lábios antes de eu chegar. Não se assusta não. Eu tava achando bonito observar como você olhava pra ele e como ele olhava pra você. Eu só criei mesmo coragem pra atravessar a rua e falar contigo porque achei que não era direito meu negar de você as coisas que eu refleti sobre tudo que vi. 

Muito prazer. Eu sou um coração partido, em pequenos pedaços espalhados já não sei por onde. O vão dentro de mim é tão profundo que se você gritar daqui da porta vai achar que existem milhares de vocês aqui dentro. Um eco, eco, eco... um vazio, vazio, frio. É tão gelado por aqui, que eu acho que já me acostumei. Sabe quando dói tanto ou incomoda tanto que até adormece, pois é. Tô num sono profundo a tanto tempo que eu nem sei mais se dói de verdade. 

Mas eu não vou te incomodar mais não. Só queria falar que tava tão bonito olhar seu amor de longe que por uns minutos eu achei que fazia parte da sua história. Tão intensa e imprevisível que eu nem ligaria se fossemos um livro e eu apenas um personagem descartável, já ia ficar satisfeita só de dizer: oi, eu não tenho uma história, mas faço parte de uma, e isto, por hora... deveria bastar. 

Moça, dá licença viu? E desculpa de novo. Ah, e cuida dele. E deixa ele cuidar de você. A coisa mais triste do mundo, é ter tanto espaço para dar calor e não ter ninguém para aquecer. Boa noite viu?"


-

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Wake UP!


Para coração. Para de acreditar em tudo, de confiar cegamente, se ceder sem medo. Para de se retalhar em fiapos e se jogar ao vento justificando liberdade. Não acredita que eles entendem, porque eles não entendem. E isso não significa que não gostariam de entender, significa que emoções são sentimentos solitários. 

Não vem com essa que querer compartilhar... com esse discursinho: melhores amigos são para isso. São? Não são? Não são coração, estúpido!

Para. E não me olha assim, não enche os olhos de lágrimas porque elas não abrirão um buraco no chão para que você possa sumir e deixar toda a dor e a confusão para trás. Pelo contrário. Levanta esse rosto, toma vergonha nessa cara e larga a mão de ser burro. Tô sendo grosso sim. Tô sendo mesmo e não é pro teu bem não. Ninguém quer teu bem se você não quiser.

Começa agora a deixar essas correntes soltas no chão. Você vai conseguir se equilibrar sozinho. E se no chão você se encontrar, respira fundo, engole a poeira e levanta de novo, e cai, e levanta e cai e levanta. E se no meio do caminho cansar, senta e chora. Mas chora pra você, porque o mundo tá POUCO se fodendo.

Não tô avisando porque sou teu amigo não, e nem porque te amo. É que tá chato ter que te aturar. E uma hora a vida ia te dar esse tapa... entenda como um favor.

Com paciência,
Consciência.