quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Anjos & Flores




"Ninguém pode te deter, se tiver fé. Lute forte, sem medidas.Não deixe de crer [...]” Dulce – No Pares


“Já não fazia diferença. Aquilo havia a consumido de tal forma que nem ela mesma sabia como e quando havia começado. E a partir dali nada mais poderia ser feito. Algum tempo se passou e ela continuava ali, sentada naquela velha cadeira, observando o tempo ir e vir diante de seus olhos. Continuava ali, remoendo e revivendo momentos que não a faziam bem, momentos que só a matavam, mais e mais, pouco a pouco. Morta para seus sentimentos. Nada ia parar aquela dor, que gritava dentro dela, que sussurrava enquanto dormia que puxava lágrimas de seus olhos. E sempre que fechava os olhos ela podia lembrar, podia sentir e reviver aqueles momentos, aqueles sorrisos, aquelas mentiras. “E como pode? Como pode uma pessoa ser capaz de dilacerar a outra sem ao menos tocá-la?”. Se perguntava. E noite, pós noite, voltava a se perguntar. Já não chorava. As lágrimas em seu rosto haviam secado. A voz em sua garganta continuava presa, o brilho em seu olhar estava fosco. E a única coisa que ela desejava deliberadamente era conseguir seguir, mesmo com dor, mesmo com sofrimento, mesmo morrendo aos poucos. E desejava isso mais do que a própria vida. E mesmo que nunca mais voltasse a amar, nunca mais voltasse a se entregar, nunca mais voltasse a sentir seu coração pulsar, ela gostaria que estar ali, pois ainda haviam pequenas grandes flores em seu jardim. Flores que ela adorava, flores que ela amava e então, as vezes sozinha, sentava em seu pequeno jardim, ainda se perguntava, se havia restado parte de seu coração. Pois o amor que ela sentia por suas flores com certeza era mais importante do que aquele amor venenoso e assassino que a matou. Suas flores, amigos, familiares, colegas ou anjos, como ela gostava de chamar, era o que ainda lhe dava força. E sabia que precisava cultivá-los, sempre e cada vez mais, pois a cada dia, se tornavam mais importantes.”

“Não construa muros em teu coração. O que você faz sempre, faça por amor!
Ponha as asas contra o vento, não há o que perder [...]” ♪